Ir para o conteúdo

Haja coração! Uma abordagem do sistema cardiovascular à luz do tema futebol

Nathália de Souza Abreu

Mestre em Biologia Marinha (UFF), especialista em Ensino de Ciências (UFF), especialista em Biologia Marinha e Oceanografia (UFF)

Introdução

Os temas geradores são propostas de ensino pautadas na teoria dialógico-dialética do ensino, o que, na perspectiva de Paulo Freire, significa que deve haver diálogo para que haja educação (Corazza, 2003), uma troca de significados entre alunos e professores, contrapondo-se ao que Freire chama de “educação bancária”, a mera transmissão de conhecimentos unidirecional (professor-aluno), em que o professor deposita conteúdos a serem aprendidos em alunos dóceis e receptivos (Rodrigues, 2010).

O tema gerador possibilita seu desdobramento em diversos temas, promovendo novas ações, reflexões, críticas e discussões (Freire, 2007). Para Freire (1987), o tema gerador deve estar inserido no dia a dia do aluno, seja no ambiente em que vive ou em atitudes de seu cotidiano, carregado de uma bagagem cultural.

Trabalhar em temas geradores possibilita articular trabalho pedagógico e a realidade sociocultural dos educandos, o desenvolvimento dos estudantes e seus interesses, bem como conhecimentos historicamente acumulados (Kramer, 1989).

Uma proposta diferenciada de trabalho, abordando o conteúdo programático de Ciências de maneira contextualizada pode ser a melhor alternativa para motivar os alunos ao aprendizado.

O presente trabalho teve como objetivo despertar o interesse de alunos do Ensino Fundamental pela Ciência, com o projeto Haja coração, relacionando o conteúdo programático ao tema Futebol, relevante na época da Copa do Mundo realizada no Brasil e pelo interesse dos alunos pelo futebol.

Metodologia

O projeto envolveu alunos do 8º ano do CIEP 051 Municipalizado Anita Garibaldi, localizado em São Gonçalo-RJ. Em uma primeira etapa, foi realizado um levantamento dos conhecimentos prévios dos alunos sobre a relação ciência-futebol. As respostas dadas serviram como eixo norteador para o prosseguimento do projeto.

A segunda etapa envolveu uma apresentação de slides envolvendo a relação entre sistema cardiovascular e futebol. Nessa etapa, foram abordados os seguintes aspectos:

· Forma e funcionamento do coração, incluindo batimentos cardíacos em situação normal, durante a prática de atividades (futebol) e alterações dos batimentos cardíacos dos torcedores;

· Circulação sanguínea, destacando o fluxo de sangue de um jogador de futebol durante uma partida;

· Problemas cardíacos em atletas;

· Cuidados com o coração de atletas e torcedores.

A terceira etapa envolveu confecção de cartazes e modelos que representassem a relação entre o conteúdo programático Sistema Cardiovascular e o tema gerador.

Resultados e discussão

Foram confeccionados modelos de coração, componentes do sangue e circulação (pequena e grande circulação), como está nas Figuras 1 a 3. Os modelos de coração foram confeccionados em biscuit; os componentes do sangue foram representados por detergente e corante (sangue não centrifugado) e detergente incolor e miçangas (sangue centrifugado), enquanto o de circulação foi confeccionado em isopor e espuma.

2-fig01
Figura 1: Modelos de coração humano
2-fig02
Figura 2: Modelo de sangue não centrifugado e de sangue centrifugado
2-fig03
Figura 3: Modelo de circulação, mostrando a pequena e a grande circulação, sangue arterial e venoso

Os modelos são recursos didáticos que têm como finalidade mediar e facilitar a relação entre professor, aluno e conhecimento (Pereira Júnior et al., 2010) e podem ser utilizados como suporte experimental no processo de ensino-aprendizagem. Para Bastos e Faria (2011), a confecção e o manuseio de modelos didáticos complementa o estudo, seja este feito por livros didáticos, vídeos, aulas expositivas etc., conduzindo o estudante a descobertas e a realizar análises mais completas do objeto estudado.

No presente estudo, os modelos foram confeccionados durante o projeto em sala de aula, permitindo a autonomia dos estudantes no processo de confecção.

Os cartazes representavam diversos aspectos do tema futebol, correlacionando ao conteúdo sobre sistema cardiovascular. O cartaz “Brasil nas veias e nas artérias e capilares também!” representou o papel do sangue no organismo e como seu fluxo é alterado em uma partida de futebol. Além disso, fez uma brincadeira com o “sangue verde-amarelo” da torcida e com a expressão original “Brasil na veia” (Figura 4).

2-fig04
Figura 4: Cartaz “Brasil nas veias e nas artérias e capilares também”, com destaque para o “sangue verde e amarelo”

O cartaz que continha os modelos de sangue apresentados continha informações sobre por que os atletas são retirados de campo quando estão sangrando, enfatizando o cuidado na prevenção de doenças.

O cartaz “O coração dos atletas” mostrou as alterações dos batimentos cardíacos durante uma partida de futebol (Figura 5). Já os cartazes “Com o coração batendo a mil” ressaltaram a euforia dos torcedores e as alterações que ocorrem no coração da torcida durante uma partida de futebol (Figuras 6 e 7).

2-fig05
Figura 5: Cartaz “O coração dos atletas”
2-fig06
Figura 6: Cartaz “Com o coração batendo a mil”
2-fig07
Figura 7: Cartaz mostrando alterações que ocorrem com os torcedores durante uma partida

O cartaz “Quando o coração do atleta não funciona direito” trouxe exemplos de jogadores que tiveram/têm problemas cardíacos, incluindo casos de arritmia cardíaca, infecções cardíacas e casos mais graves que resultaram em óbito (Figura 8).

2-fig08
Figura 8: Cartaz “Quando o coração do atleta não funciona direito”

O cartaz “Cuidados com o coração do torcedor” ressaltou as medidas que devemos tomar antes de assistir a uma partida de futebol para evitar problemas cardíacos (Figura 9).

2-fig09
Figura 9: Cartaz “Cuidados com o coração do torcedor

Todos os trabalhos foram expostos na escola. Além da fixação dos conteúdos referentes ao sistema cardiovascular pelos alunos do 8º ano, observou-se que eles se sentiram motivados após a exposição dos trabalhos. Tal fato os levou a zelar pela integridade dos modelos confeccionados.

De acordo com Penteado e Kovaliczn (s/d), existem evidências de que o professor precisa ser criativo dentro da sala de aula, conquistando a atenção do aluno, permitindo a presença do diálogo durante as aulas, melhorando a qualidade do ensino.

Neste trabalho, a abordagem do conteúdo de maneira diferente permitiu criar o diálogo entre o componente curricular do 8º ano com o cotidiano dos alunos via tema gerador futebol.

Os resultados mostraram a participação efetiva dos alunos, bem como motivação e interesse pela relação entre ciência e futebol e pelas atividades propostas. A motivação dos alunos é enfatizada nos Parâmetros Curriculares Nacionais como essencial para a construção do conhecimento (Brasil,1998). Ainda segundo os PCN, o interesse do aluno pelo tema abordador é fator de suma importância para alcançar uma aprendizagem significativa (Brasil, 1998). Essa motivação pode ser observada na realização de atividades diferenciadas e no ensino por temas geradores, como no presente estudo.

Para Matos (2009), é possível propiciar aos estudantes aulas mais atraentes e motivadoras a partir da elaboração de modelos com a utilização de materiais de baixo custo. Todas as atividades mostradas aqui utilizaram materiais acessíveis às escolas públicas.

Considerações finais

Constatou-se que a abordagem do conteúdo curricular Sistema Cardiovascular usando o tema gerador futebol possibilitou o protagonismo dos alunos no processo de aprendizagem, além de despertar o interesse pela Ciência.

Referências

BASTOS, K. M.; FARIA, J. C. N. M. Aplicação de modelos didáticos para abordagem da célula animal e vegetal, um estudo de caso. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 7, nº 13, p. 1.867, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais – terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CORAZZA, S. M. Tema gerador: concepções e práticas. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

______. Pedagogia da Autonomia. 35ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

KRAMER, S. Com a pré-escola nas mãos: uma alternativa curricular para a educação infantil. São Paulo: Ática, 1989.

MATOS, C. H. C.; OLIVEIRA, C. R. F.; SANTOS, M. P. F; FERRAZ, C. S. Utilização de modelos didáticos no ensino de Entomologia. Revista de Biologia e Ciências da Terra. v. 9, nº 1, 2009.

PENTEADO, R. M. R; KOVALICZN, R. A. Importância de materiais de laboratório no ensino de Ciências. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/22-4.pdf.  Acesso em 20 jun. 2014.

PEREIRA JÚNIOR, S. F. P.; GOMES, D. A.; SOUZA, L. M.; ANDRADE, C. C.; OLIVEIRA, G. F. Aplicação do modelo didático na compreensão do conteúdo morfologia viral. X Jornada de ensino, pesquisa e extensão – JEPEX, Recife, 2010. Anais… UFRPE. Recife, 2010.

RODRIGUES, M.F. A temática da energia proposta através de temas geradores para a sexta série do Ensino Fundamental. Dissertação (Mestrado em Ensino de Física) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2010.

Publicado em