Ir para o conteúdo

Parnasianismo: o universo de José María de Heredia Girard com as divindades mitológicas

Giseli Rosa de Souza

Rosane Gonçalves de Araújo Soares

Nos dias 6 e 7 de outubro de 2016, foi realizada uma aula interdisciplinar abordando o Parnasianismo e sua influência nas artes. A atividade ocorreu no auditório e na biblioteca do Ciep 495 Guignard, localizado no bairro Parque Mambucaba, em Angra dos Reis.

A aula foi planejada com muita pesquisa de fontes e realizada com as turmas de 2º ano do turno da manhã, e abordou o contexto histórico do Parnasianismo, como a Belle Époque, que se caracterizou por“uma era de otimismo e aumento do conforto material”, e a Art Noveau, “movimento artístico que tinha como característica o gosto pela ornamentação”.

A proposta de falar desse contexto histórico foi mostrar aos alunos que o Parnasianismo partilhava muitos ideais da Art Noveau, buscando uma poesia que supervaloriza o aspecto formal. A proposta do movimento era uma criação poética que retomava o modelo estético clássico, com sua busca pela beleza e precisão, a “arte pela arte” – sem finalidades práticas ou crítica social e com extremo preciosismo linguístico, criando a imagem do poeta artesão.

Segundo Rosane, o soneto analisado é do expoente poeta parnasiano franco-cubano José María de Heredia Girard, que se inspirou nas obras de Leconte de Lisle, um dos mais importantes poetas da escola parnasiana francesa. Sua principal publicação data de 1893, chamada Los Trofeos(em francês, LesTrophées); reúne 118 sonetos, entre os quais está o poema analisado. Fiel à doutrina parnasiana, Heredia trabalhou a forma de seus sonetos até a perfeição (o que levou cerca de trinta anos), e sua temática era a história, as lendas e a natureza.

A partir desse contexto histórico, foram apresentadas aos alunos as imagens de dois quadros que fazem referência à mitologia greco-romana, uma das características do Parnasianismo: Diana y sus ninfas sorprendidas por sátiros (1638-1640), do pintor Peter Paul Rubens (nascido em uma região que hoje pertence à Alemanha), e Bãno de ninfas – Las ninfas de Diana regresando de la pesca (1585-1625), do belga Jan Brueghel. Esses dois pintores pertencem à escola flamenca de pintura.

Os alunos observaram, atentamente, cada detalhe das imagens. Em seguida, foi entregue a eles uma atividade contendo o poema original, chamado El bãno de las ninfas junto à respectiva tradução, O banho das ninfas, a fim de que os alunos relacionassem o contexto do poema às imagens apresentadas e respondessem às questões que abordaram conteúdos gramaticais como hipérbato, linguagem erudita e descritivismo. Havia também questões em espanhol que abordaram pronomes e conjunção.

Essa atividade interdisciplinar foi bastante enriquecedora, pois os alunos tiveram a oportunidade de estudar a língua portuguesa e compreender a língua espanhola por meio da gramática no poema, melhorando sua proficiência no idioma. Cabe ressaltar ainda que o Enem também aborda questões contextualizadas.

Durante a explicação, as professoras fizeram referências aos filmes Percy Jackson, As crônicas de Nárnia e Sonho de uma noite de verão, este a partir de obra de William Shakespeare, produções que também mostram seres mitológicos, porém idealizados no enredo. Como sugestão de leitura, a fim de que complementassem o conhecimento adquirido em sala de aula, foi apresentado aos alunos o livro As 100 melhores histórias da mitologia – deuses, heróis, monstros e guerras da tradição greco-romana, de A. S. Franchini e Carmen Seganfredo, publicado pela L&PM.

Ao final da atividade, os alunos deram suas impressões sobre a aula. A aluna Beatriz, da turma 2002, disse que “a aula teve um rendimento maior e o conteúdo foi mais bem explicado”. Outro grupo de alunos da mesma turma comentou: “Nós achamos a aula das matérias em conjunto bem mais interessante e mais fácil de entender”.

“Foi ótimo, achamos que ficou melhor para entendermos; o trabalho em grupo foi uma ótima proposta”, analisou um grupo de alunos da turma 2003. A aluna Fernanda, da mesma turma, afirmou: “achei muito interessante, a explicação foi ótima, todos participaram. Deveria ter mais aulas assim”.

O trabalho em conjunto foi muito produtivo, pois os alunos pesquisaram o conteúdo abordado, compartilharam os conhecimentos e mantiveram contato com obras de arte.

“Não é a primeira vez que realizamos uma atividade semelhante. Em 2015, fizemos, em parceria com a professora de História Gislaine de Paula Silva, um trabalho sobre o Romantismo e suas influências, apresentando um quadro do pintor Francisco Goya, (http://educacaopublica.cederj.edu.br/revista/artigos/uma-aula-interdisciplinar-sobre-arte-historia-e-literatura-do-seculo-xix); a atividade foi realizada também com uma turma de 2º ano”, disse a professora Giseli.


Foto 1: Rosane orientando o trabalhono auditório.

Foto 2:Giseli no auditório orientando os alunos.

Fotos 3 a 7: Alunos das turmas 2002 e 2003 trabalhando no auditório.

Fotos 8 e 9: Rosane explicando o conteúdo do trabalho, na biblioteca.

Fotos 10 a 14: Alunos da turma 2001 fazendo o trabalho na biblioteca.

Foto 15:Bãno de ninfas, uma das pinturas apresentadas aos alunos, emateriais utilizados com os alunos, livro de Língua Portuguesa e Literatura e a obra 100 anos…

Estes foram os slides apresentados às turmas, no auditório e na biblioteca:


Rubens. Diana y sus ninfas sorprendidas por sátiros (1638-1640)

Brueghel.Baño de Ninfas (Las ninfas de Diana regresando de la pesca)(1585-1625).

Publicado em