Os três primeiros livros da Maré

Ailza de Freitas Oliveira

Doutoranda em Educação (UFPB), docente de Artes Cênicas (Prefeitura Municipal de João Pessoa)

Fernando Abath Cananéa

Doutor em Educação (UFPB), docente universitário (Profartes/UFPB)

Este texto vislumbra realizar uma análise bibliográfica dos três primeiros livros que integram o projeto editorial Novos Olhares, da ONG Maré Produções Artísticas e Educacionais, idealizado, coordenado e organizado pelo assessor pedagógico Fernando Abath Cananéa; a ONG é sediada em João Pessoa e tem atuação também nos municípios de Cabedelo e Santa Rita, no Estado da Paraíba.

Novos Olhares é um dos 14 projetos desenvolvidos pela ONG Maré em sistema de autofinanciamento entre os participantes como prática de economia solidária, de forma independente e autônoma; seus integrantes se cotizam financeiramente viabilizando os custos de cada projeto e dividindo a quantidade de exemplares por igual, com sistema de venda em valor de custo, buscando maior e mais rápida distribuição dos livros entre leitores(as), a fim de alcançar o público-alvo com baixo custo, encorajando atuais leitores(as) da Educação a se juntar como futuros autores(as) em novas obras. São textos científicos que versam sobre a Educação e sua interfaces.

Para a análise bibliográfica a que nos propomos, observaremos os dados referentes aos três primeiros livros publicados pela Maré: Novos olhares artístico-culturais; Educação e suas interfaces: conversas em torno da educação, da arte e da cultura e Diálogos educacionais contemporâneos. Com abordagem qualitativa, a pesquisa se ancora nos preceito de Gil (2008), ao pontuar que pesquisas qualitativas consideram uma relação dinâmica entre os sujeitos e o mundo real, além de focar nos significados dos processos tendo os pesquisadores como instrumentos-chave. Para o autor, do ponto de vista dos procedimentos técnicos, a pesquisa bibliográfica ocorre quando sua elaboração se efetiva com base no material já publicado, incluindo livros, conforme o caso atual de análise qualitativa.

O recorte temporal correspondente aos lançamentos dos três títulos em questão se dá nos anos de 2011 e 2012, sendo um no primeiro ano e os outros dois no segundo. Todos esses livros foram impressos pela Gráfica e Editora Imprell em tamanho tradicional e tiragens de 500 exemplares, com capas da artista Cely Sousa, organização e revisão de Fernando Abath Cananéa e conselho editorial composto pelo organizador e as professoras Ailza de Freitas Oliveira e Soraya de Souza de Oliveira.

Com 30 artigos científicos, sendo quatro em coautoria e 26 de autoria individual, as três obras apresentam 28 autores(as); quatro publicaram em mais de uma obra. Em sua grande maioria são mulheres: 21 capítulos oriundos de mãos femininas para apenas seis homens autores e três capítulos com autores homens e mulheres.

Novos olhares artístico-culturais é a obra pioneira do projeto; nela, estão dez autores – oito mulheres e dois homens – sendo nove deles membros da ONG à época. Das dez pessoas que assinam capítulos, apenas o organizador já havia publicado anteriormente, o que aponta para a concretude do objetivo central do projeto: estimular a aproximação de profissionais da Educação com a prática da escrita científica.

Figura 1: Novos olhares artístico-culturais, capa de Cely Sousa

Dos nove capítulos, dois são sobre Educação Infantil, um fala de Música, um sobre Dança, um sobre Educação Popular, um aborda direito na Educação, um trata de cultura popular e dois falam de teatro. Embora com sete temáticas distintas, todos têm a educação como fio condutor e ênfase nos relatos de práticas educacionais desenvolvidas nos espaços de atuação pedagógica em que os(as) autores(as) estão inseridos(as) cotidianamente. São artigos que se situam como relatos de experiências pedagógicas nas salas de aulas de seus autores(as), visando ao registro e à reflexão de suas práticas educacionais.

O lançamento do livro foi envolto em muita emoção, no mês de dezembro de 2011, na livraria O Sebo Cultural, instituição parceira de autores(as) paraibanos, dirigida pelo entusiasta da cultura Heriberto Coelho, que cedeu o espaço para uma noite de autógrafos, abraços e trocas de saberes pedagógicos e educacionais.

Figura 2: Lançamento de Novos Olhares Artístico-Culturais em O Sebo Cultural
Fonte: Acervo da Maré

O evento de lançamento mobilizou de forma direta aproximadamente 70 pessoas, que prestigiaram a ação assistindo a apresentação musical do Coral Voz Ativa,  performática da dupla Heráclito Oliveira e Cely Sousa, instrumental da dupla Felipe Amorim e Yuri Ribeiro e as emocionadas falas dos(as) autores(as). Para o professor Fernando Abath (2011, p. 07-08), conforme registro da apresentação do livro, os(as) autores(as) da obra

têm em comum o realismo utópico de construírem, por meio da arte e da educação, um mundo mais justo e igualitário para todos os seres humanos, independentemente de classes sociais. Acreditam esses(a) educadores(a) que a participação cidadã e a construção de consciência crítica por meio das artes e dos processos educacionais não irão fazer nenhuma revolução, mas irão, com certeza, permitir o empoderamento dos que participam desse processo e propiciarão práticas e diálogos reflexivos para que cada sujeito social possa tomar suas decisões e promover suas mudanças, sem direcionamentos.

Tais ideais estão em sintonia com o que apregoa o inspirador Freire (2013), que percebe a Educação como prática da liberdade, da autonomia, da criticidade e da busca por igualdade, assim como defende os humanos como seres vocacionados para serem mais – tanto os oprimidos quanto os opressores. Chizzotti (2009, p. 80) diz que “o pesquisador é um ativo descobridor do significado das ações e das relações que se ocultam nas estruturas sociais”. E, como ativo descobridor, amplia o exercício de sua vocação para ser mais.

O perfil dos(as) autores(as) é traçado entre quatro profissões: quatro são arte-educadoras, três são pedagogos(as), dois musicistas e uma advogada/linguista/psicanalista, todos(as) graduados(as) na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), com idade entre 30 e 53 anos.

Nesta primeira obra, os textos são: “A importância do lúdico na Educação Infantil”, escrito por Débora de Carvalho Brito; “As Artes Cênicas na Educação Infantil: diálogos metodológicos”, elaborado por Ailza de Freitas Oliveira; “Avaliação em Música”, redigido por Yuri Moreira Ribeiro e Nadya de Araújo Amorim; “Dança na escola: uma visão da técnica de Laban”, produzido por Joelma Ferreira Dantas; “Educação Popular e possíveis diálogos críticos”, elaborado por Fernando A. Abath L. C. Cananéa; “O declínio do nome-do-pai e a violência contemporânea”, redigido por Regina Maria Peregrino Pimentel de Oliveira; “Resistência e tradição no Auto da Lapinha”, escrito por Maria Cely de Sousa Silva; “Teatro: uma pedagogia prazerosa”, lançado por Maria Wilma Albuquerque da Costa; e “Teatro do Oprimido: uma perspectiva metodológica para educação em direitos humanos na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Luiz Gonzaga Burity”, pensado por Soraya de Souza de Oliveira.

Passadas a emoção e a surpresa do primeiro livro, os membros se lançam na continuidade do projeto editorial Novos Olhares. A segunda obra lançada pela Maré é intitulada Educação e Suas Interfaces e tem como subtítulo a assertiva: conversas em torno da Educação, da Arte e da Cultura. Nela publicam doze autores(as); três estão na segunda publicação pelo projeto, integrando capítulos nas duas obras lançadas até então.

Distribuídos(as) em onze capítulos, sendo dez com autoria individual e um em coautoria, são oito autores(as) mulheres e quatro homens, com idades entre 33 e 56 anos; todos(as) são graduados(as), sendo duas especializandas, duas mestrandas e um doutorando. Nesta segunda obra ampliam-se também os números de cursos de graduação dos autores(as): além de Artes Cênicas, Língua Portuguesa, Psicanálise, Direito e Pedagogia, presentes na primeira obra, temos agora Educação Física, Matemática, Biologia e Artes Visuais.

Figura 3: Educação e suas interfaces, com capa de Cely Sousa

Assim como distintas são as áreas de conhecimento dos autores(as), também são distintas as temáticas abordadas; os capítulos versam sobre projeto político-pedagógico (PPP), meritocracia, perfil profissional em Educação, habilidades e competências na escola, sustentabilidade, cibercultura, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Matemática, Direito, inclusão e ordem simbólica. Lançado em junho de 2012, mais uma vez amigos(as) e familiares(as) dos(as) autores(as) superlotaram a área de eventos de O Sebo Cultural, onde juntos(as) desfrutaram mais uma noite de emoções, concretizações e sobretudo superações.

Figura 4: Lançamento de Educação e Suas Interfaces em O Sebo Cultural
Fonte: Acervo da Maré.

Na apresentação da obra, o organizador Fernando Abath Cananéa (2012) descreve algumas características daqueles(as) autores(as) que compõem o livro, além de situar os objetivos do projeto Novos Olhares e a intenção do livro.

Inquietações e perguntas sobre o cotidiano educacional nos levaram a reunir um grupo de educadores preocupados com o fazer educativo ao mesmo tempo que são praticantes, em suas diversas áreas de atuação, do fazer educacional com seus diferentes olhares e práticas. Este livro aborda, em seus capítulos, várias temáticas educacionais refletindo os(a) autores(a), sobre suas diferentes práticas e construções conceituais, em diálogo com a vida real. A ideia central é oferecer ao público interessado em educação e suas diferentes interfaces um conjunto de reflexões sobre variados temas.

Neste livro os capítulos têm como títulos “O Rio da Nascente à foz: a escola do ppp à aprendizagem”, escrito por Ailza de Freitas Oliveira; “Gestão escolar e qualidade de ensino: com vocês, ‘o prêmio escola nota 10’”, elaborado por Áurea Augusta Rodrigues da Mata; “O perfil dos professores de Educação Física da Rede Municipal de João Pessoa no Ensino Fundamental I”, redigido por Corina Marques de Almirante; “Habilidades e competências na escola: um olhar na contemporaneidade”, de autoria de Dina Amanda Salgado Domingues da Luz; “A natureza sistêmica da realidade: em busca de uma percepção sustentável para a humanidade”, escrito por Eduardo Beltrão de Lucena Córdula; “Cibercultura: elementos de formação e interfaces com a Educação, a arte e a cultura”, elaborado por Fernando A. Abath L. C. Cananéa; “Paisagens da Parahyba Antiga na perspectiva de alunos da EJA”, fruto da parceria entre José Iremar Rodrigues Gomes (Rodrigues Lima) e Maria Marta dos Santos Silva Nóbrega; “Matemática: bicho papão ou solução”, redigido por Marcos Paulo Sousa da Luz; “Do direito à vida ao direito à Educação: os valores na escola que educa e protege na visão de pais e professores”, elaborado por Maria das Neves Sousa da Luz; “Educação Inclusiva: uma questão de direitos humanos”, escrito por Priscila Maia Leite Paiva; e “A inversão no discurso e as consequências para a ordem simbólica”, de Regina Maria Peregrino Pimentel de Oliveira.

Diálogos Educacionais Contemporâneos é a terceira obra analisada. Seus dez capítulos foram redigidos por doze autores, sendo nove mulheres e três homens, com faixa etária entre 34 e 54 anos de idade; dos dez capítulos, dois foram escritos em coautoria e os demais têm autoria individual. As temáticas abordadas são formação pedagógica, gestão escolar, Psicologia, leitura e escrita, linguagem, Pedagogia e políticas públicas para pessoas com deficiência.

Dos doze autores(as), apenas quatro eram membros da ONG à época, o que acentua o início de abertura do projeto Novos Olhares para a comunidade em geral. Observando o alcance do objetivo do projeto em viabilizar a escrita acadêmica para novos(as) autores(as), dentre as doze pessoas que integram o livro, sete estavam publicando pela primeira vez; quatro dos cinco restantes estrearam como autores(as) nas obras precedentes deste projeto.

Vocacionados no ato de educar, os doze profissionais se dividem em cinco áreas da educação, cinco são pedagogos, dois são psicólogos e os demais se distribuem entre as licenciaturas: um em Biologia, um em Artes Cênicas e três em Letras. Dos(as) doze autores(as), um é graduado, quatro são especialistas, cinco são mestres (um em doutoramento) e dois são doutores(as), todos com experiência na rede pública e privada de educação da Paraíba.

Figura 5: Diálogos educacionais contemporâneos, com capa de Cely Sousa

Os capítulos estão intitulados: “A formação em Educação: saberes pedagógicos, técnicos e/ou administrativos?”, elaborado por Ailza de Freitas Oliveira; “O ser humano planetário (homo affectus holostemicus): da concepção à formação do educando”, redigido por Eduardo Beltrão de Lucena Córdula; “Psicologia Cognitiva: perspectiva da afetividade no âmbito escolar”, escrito por Fabiana Juvêncio Aguiar Donato; “Gestão educacional e protagonismo juvenil: participação e identidade na escola que deseja reencantar”, de autoria de Fernando A. Abath Luna C. Cananéa; “Uma nova geração que escreve e lê: os autores e leitores na internet”, fruto da parceria entre Francisco de Assis do Nascimento Silva Júnior e Rejane Ramos Peregrino; “O perfil do gestor de Educação Infantil”, assinado por Gláucia Dantas Dias Alves; “Como pode a linguagem contribuir para a formação do cidadão multicultural?”, elaborado por Lucimar Almeida Dantas; “Ecoleitura: a inserção da Educação Ambiental no processo educativo”, preparado por Maria Alves de Sousa Lima e Tânia Dantas Gama; “A Pedagogia intercultural crítica e as classes multisseriadas no campo”, escrito por Wellingta Magnolia Lacerda Leite de Andrade; “A pessoa com deficiência e as políticas públicas”, elaborado por Zilma Maria Ramos Jarry Richardson.

Lançado em setembro de 2012, na área de eventos de O Sebo Cultural, a alegria se fez presente entre autógrafos emocionados, abraços entre amigos, orgulho de familiares que presenciaram seus parentes autores(as), oportunizando a elevação da autoestima, apresentações culturais e falas embargadas pela emoção da noite, como mostram as imagens.

Figura 6: Lançamento de Diálogos educacionais contemporâneos em O Sebo Cultural
Fonte: Acervo da Maré.

Diálogos Educacionais Contemporâneos trata suas temáticas de ações desenvolvidas na educação formal e em espaços alternativos de Educação na Paraíba. Para o organizador da obra, professor Fernando Abath Cananéa (2012), os textos escritos retratam os desafios da atualidade na educação, problematizando-os e apontando reflexões.

No mundo atual, a incerteza, o temor ante o futuro, a violência, a indisciplina, a eficácia das metodologias educacionais e a falta de confiança na capacidade de construir projetos compartilhados nos ambientes educacionais nos levaram a reunir um grupo de educadores ligados a instituições de ensino de diferentes níveis, para, sob diferentes avaliações, práticas e fundamentos teóricos, refletir em seus textos sobre temas educacionais da atualidade que se apresentam como problematizadores diante dos desafios deste novo século.

Redigir sobre as práticas educacionais e pedagógicas com suporte teórico oportuniza a reflexão sobre o fazer educacional, ao mesmo tempo que registra, através da linguagem escrita ao tempo em que cada atividade pedagógica é realizada, desenvolvendo a capacidade de autorreflexão dos(as) autores(as), avaliando seus trabalhos, incrementando-os, registrando o que de positivo aconteceu e ressignificando os aspectos que deixaram a desejar. Este trabalho buscou analisar os três primeiros livros do projeto Novos Olhares, que já lançou ao longo de seus oito anos de existência outros 19 livros; está em processo de produção a 23ª obra, que será mais um sinônimo de resistência, num país de iletrados que restringe suas publicações à elite de um subgrupo seleto entre os letrados. Somos resistência por nos valermos do misto entre teimosia e amorosidade, insistência e cooperação, desafio e coletividade.

Referências

CANANÉA. Fernando Abath (Org.). Novos olhares artístico-culturais. João Pessoa: Imprell, 2011.

______. (Org.). Educação e suas interfaces: conversas em torno da educação, da arte e da cultura. João Pessoa: Imprell, 2012.

______. (Org.). Diálogos educacionais contemporâneos. João Pessoa: Imprell, 2012.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 10ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 50ª ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

______. Educação como Prática da Liberdade. 15ª ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GIL, Antonio Carlos. 6ª ed. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

MARÉ PRODUÇÕES ARTÍSTICAS E EDUCACIONAIS. Livros publicados. Disponível em: http://mareproducoes.blogspot.com/p/livros.html. Acesso em: 25 fev. 2019.

Publicado em 25 de junho de 2019

Como citar este artigo (ABNT)

OLIVEIRA, Ailza de Freitas; CANANÉA, Fernando Abath. Os três primeiros livros da Maré. Educação Pública, v. 19, nº 12, 25 de junho de 2019. Disponível em: https://educacaopublica.cederj.edu.br/artigos/19/12/os-tres-primeiros-livros-da-mare