Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Agronomia; Astronomia; Biologia e Biociências; Computação e Tecnologias; Física; Geologia; Matemática; Química
Limpar filtros
Uma página por dia - sugestão a um guia espiritual
Ecologia e Meio Ambiente, Nutrição e Alimentos, Física, Filosofia e Política Educacional

Uma carta escrita a um guru indiano procura discutir as relações entre a Ciência e a filosofia, a fé e as experiências, devoção e avanço tecnológico. Apresenta uma proposta para levar o mundo a uma evolução científica vinculada ao autoconhecimento, ao despertar para a Ciência como ferramenta para melhorar o mundo para todos.

Bingo: uma proposta para o ensino de função de 1º grau
Matemática

O presente relato de experiência visa abordar a aplicação de um bingo envolvendo o conteúdo de função de 1° grau. Essa aplicação foi realizada pelos bolsistas do Pibid e voltada para os alunos de uma turma da 1ª série do Ensino Médio do Centro Estadual Interescolar Áttila de Almeida Miranda, de Cachoeiro de Itapemirim/ES. O objetivo foi auxiliar na compreensão do conteúdo apresentado e incentivar a interação dos alunos por meio do compartilhamento dos conhecimentos da dupla a respeito do tema. Desse modo, no decorrer da tarefa observou-se o interesse dos estudantes, que buscavam alternativas para resolver as questões propostas e demonstravam grande entusiasmo quando marcavam suas respostas na cartela, visto que cada dupla visava concluir o bingo antes das outras.

Modelos didáticos para o ensino de Biologia e Saúde: produzindo e dando acesso ao saber científico
Biologia e Biociências, Educação Especial e Inclusiva e Vivências de Sala de Aula

Atualmente, doenças virais como gripes, zica e febre amarela têm preocupado bastante a população, sobretudo no Estado do Rio de Janeiro, tipicamente quente e úmido. Os vírus são partículas infectantes muito peculiares, e sua estrutura pode gerar certa confusão nos estudantes. Nesse sentido, diante da carência de recursos adaptados, ferramentas como os modelos didáticos podem favorecer a compreensão da estrutura viral e tornar o assunto um pouco mais próximo dos estudantes. Este relato teve por objetivo a elaboração de modelos de estruturas virais com alunos do 2º ano do Ensino Médio de uma escola privada no município do Rio de Janeiro. Levou em conta o reaproveitamento de materiais de baixo custo e a possibilidade de trabalhar com arte, propiciando mesmo a um estudante de baixa visão uma experiência mais atrativa para aprender assuntos de Virologia. Buscamos com isso disseminar experiências de inclusão que sirvam de modelo para outros profissionais.

Compreendendo a soma de frações com Amoeba, à luz da Teoria dos Registros de Representação Semiótica
Matemática

O presente texto apresenta um recurso elaborado para auxiliar o processo de ensino-aprendizagem de operações com frações. É sabido que esse processo, em especial da sua soma (e, consequentemente, da subtração por sua natureza ser compartilhada), tem apresentado dificuldades, o que demanda a elaboração de novas abordagens para a promoção de sua aprendizagem. Para a elaboração do material que propomos, utilizamos a Teoria dos Registros de Representação Semiótica (TRRS), que dá suporte a diversos estudos que visam compreender a forma como as pessoas constroem o conhecimento matemático. Essa teoria tem relação com a representação, o tratamento e a conversão de conceitos matemáticos. Na TRRS, o foco deve estar no aprendiz, o que subordina o objeto a ser ensinado à cognição dele, que se liga às questões de representação. Como conclusão, entendemos que o material proposto atende às necessidades que destacamos e que pode ser um auxiliar no processo de ensino-aprendizagem de soma de frações.

Reflexões sobre o uso das novas tecnologias como recurso didático no processo de ensino-aprendizagem
Computação e Tecnologias e Geografia

A elaboração de uma estratégia pedagógica pelo professor segue uma proposta de ensino em que o objetivo é que os alunos construam seu conhecimento. Para que essa construção ocorra, é necessário que o educador eleja recursos didáticos que possibilitem a interface entre o conteúdo e a realidade dos educandos.

Defesa de seminários: a argumentação na aprendizagem sobre modelos atômicos no Ensino Fundamental
Física, Química e Vivências de Sala de Aula

A história do fazer científico e do que é a Ciência em si traz postulados e teorias científicas que foram passíveis de discussões, críticas, provas, debates intensos. Várias teorias que outrora foram verdades já não são mais aceitas atualmente; isso mostra que, com argumentações que as apoiavam e criticavam, se faz Ciência. O presente trabalho objetivou desenvolver uma metodologia baseada em seminários elaborados pelos estudantes e exemplificar que, a partir das perguntas feitas pelo professor sobre o tema, inicia-se um debate que permite ao aluno formular respostas cada vez mais complexas.

O distanciamento da Educação Inclusiva do chão da escola e o (des)preparo da equipe escolar
Matemática, Educação Especial e Inclusiva e Formação de Professores

A Educação Inclusiva é um ganho não apenas para a pessoa com necessidade de inclusão como também para toda a sociedade; com isso, este artigo tem por objetivo compreender o desenvolvimento dessa educação, seu amparo legal além das argumentações em fóruns que vieram contribuir para a propagação e fortalecimento dessa causa, abordando também a formação do professor com vista à inclusão. Aqui a abordagem de discussão será a deficiência visual, a auditiva, a física e a múltipla, apesar de não explicitá-las claramente, pois se sabe que há diversas outras limitações apresentadas em documentos oficiais, como a Constituição Federal. Trataremos do processo histórico da inclusão de alunos com deficiência com aporte às leis que vigoram e sua importância para a garantia do acesso e permanência na educação; se há alunos em situação de inclusão, é perceptível a necessidade da formação de professor com vista a atender a essa demanda, e é sob esse olhar que discutimos a pratica docente advinda de sua formação. A metodologia terá como aporte teórico as leis e referências de autores que tratam do tema em questão.

A experimentação no ensino de Ciências – reações químicas no Ensino Fundamental
Química e Vivências de Sala de Aula

O objetivo do presente relato de experiência é descrever as atividades experimentais desenvolvidas com alunos do 9º ano do Ensino Fundamental de uma escola da Educação Básica do Município de Rubim/MG, em Ciências, envolvendo conteúdos relacionados às reações químicas e tipos de reações químicas.

A importância das expressões algébricas no cálculo do índice de massa corporal (IMC)
Matemática

Uma atividade com turma de 8º ano trabalhou os conceitos de expressões algébricas usando como base o cálculo do índice de massa corporal, tornando as aulas mais dinâmicas e aplicáveis à vida dos estudantes, contribuindo de forma lúdica para a aprendizagem significativa desse conteúdo.

Estudo da alotropia do carbono utilizando a música em uma estratégia didática: evidências de uma aprendizagem significativa
Química e Vivências de Sala de Aula

Este trabalho investigou o quanto a música pode ser utilizada em estratégia didática, facilitando o ensino-aprendizagem em Química. A pesquisa de natureza qualitativa do tipo pesquisa-ação, teve como referencial a Teoria de Aprendizagem Significativa e foi realizada com alunos do primeiro ano do Ensino Médio regular noturno. A coleta dos dados foi desenvolvida por meio de questionários, entrevistas dialógicas informais com os discentes e a análise da música A Causa e o Pó, do cantor e compositor Lenine. Aulas sobre ligação covalente, geometria molecular, propriedades dos materiais e o fenômeno da alotropia, com ênfase no elemento carbono, atuaram como organizadores prévios na formação de subsunçores. Os resultados indicam que a música melhora a atenção, a participação e, consequentemente, o interesse dos alunos, facilitando a assimilação dos conceitos e desenvolvendo habilidades e competências exigidas pelo processo de ensino-aprendizagem em Química.