Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Antropologia; Arqueologia; Comunicação; Direito; Economia; Filosofia; Geografia; História; Psicologia; Sociologia; Teologia
Limpar filtros
“Espessas nuvens”: uma reflexão analítica sobre os diversos territórios nos discursos adotados na criação do IHGB
Geografia, História e História da Educação

Este trabalho estuda a relação entre a criação do IHGB e a construção do processo de disciplinarização do processo de ensino-aprendizagem da História no Brasil deu-se em territórios que vinculavam a diversidade regional, cultural, social e econômica em um funil domesticador, hierarquizador e socializador que produzia uma homogeneização dos pensamentos nos diversos territórios.

O projeto Educação Patrimonial e Artística: um possível processo de preparação de alunos pesquisadores
Filosofia, História, Sociologia, Vivências de Sala de Aula, Espaços Urbanos e Política Cultural

Um projeto de valorização do patrimônio cultural de uma cidade no interior da Bahia leva os alunos de uma escola da região a conhecer a sua realidade; mais do que isso, os estudantes começam a desenvolver suas habilidades e competências como pesquisadores mergulhados e seu contexto histórico-social.

Múltiplas inteligências a partir de jogos no ensino de Geografia
Geografia e Vivências de Sala de Aula

O ensino de Geografia, ao longo do tempo, vem ocorrendo de forma mnemônica, sem vinculação com a realidade dos estudantes. Neste trabalho, apresentaremos algumas atividades, como oficinas de jogos baseadas na metodologia participante. Este trabalho pretende fazer uma análise dos jogos como forma de estimular as múltiplas inteligências e favorecer a construção do conhecimento geográfico.

Uma página por dia - sugestão a um guia espiritual
Ecologia e Meio Ambiente, Nutrição e Alimentos, Física, Filosofia e Política Educacional

Uma carta escrita a um guru indiano procura discutir as relações entre a Ciência e a filosofia, a fé e as experiências, devoção e avanço tecnológico. Apresenta uma proposta para levar o mundo a uma evolução científica vinculada ao autoconhecimento, ao despertar para a Ciência como ferramenta para melhorar o mundo para todos.

Conceitos de teoria e prática na terapia psicomotora
Saúde, Comunicação, Educação Especial e Inclusiva, Formação de Professores, Educação Física, Língua Portuguesa e Literatura, Outras Mais Específicas e Espaços Urbanos

É preciso mais que conhecimento teórico científico para atender; estar aberto a entender o mundo do outro (empatia) faz parte da caminhada para construir um conhecimento sólido, em que não somente o conteúdo seja ensinado/ministrado/discursado, mas também valores, cooperação, compaixão e empatia.

O ensino de artes: ausência, silenciamento e resistência no âmbito das relações étnico-raciais no campo educacional
Filosofia, Geografia, História, Sociologia, História da Educação, Vivências de Sala de Aula, Educação Artística e Política Educacional

As relações étnico-raciais presentes na realidade brasileira se refletem na presença do negro entre os principais nomes das artes do país, nos séculos passados e agora; a legislação procura mudar esse quadro nos diversos códigos artísticos (música, dança, pintura, escultura, teatro), de modo a criar uma pedagogia da diversidade e romper com as narrativas hegemônicas.

Reflexões sobre o uso das novas tecnologias como recurso didático no processo de ensino-aprendizagem
Computação e Tecnologias e Geografia

A elaboração de uma estratégia pedagógica pelo professor segue uma proposta de ensino em que o objetivo é que os alunos construam seu conhecimento. Para que essa construção ocorra, é necessário que o educador eleja recursos didáticos que possibilitem a interface entre o conteúdo e a realidade dos educandos.

Mostra o seu que eu mostro o meu: discussões sobre sexualidade, gênero, juventude e outros afetos
Saúde, Antropologia, Comunicação, Psicologia, Sociologia, Educação Infantil, Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula, Educação Física, Língua Portuguesa e Literatura, Espaços Urbanos, Política Cultural e Política Educacional

Pensar a juventude atravessada pela sexualidade na escola a partir do estudo de caso de J, 15 anos, negra, homossexual e moradora de um abrigo para menores, liga-se à ideia de “circuitos de afetos”, cunhada por Safatle, uma vez que para ele política é uma questão de afeto, de ser afetado por ela, o que ajuda a pensar o próprio trânsito e a territorialidade da jovem no circuito abrigo-escola, escola-abrigo. É fundamental refletir como essas relações são produzidas e agenciadas dentro da escola e fora dela, sempre permeadas por relações de poder negociadas e negociáveis, assim como por um currículo escolar invisível, oculto que todo aluno e todo professor precisa, em alguma medida, conhecer “para se dar bem na escola”.

Ser professor de Geografia na escola básica no século XXI
Geografia e Formação de Professores

Educar nunca foi tão árduo, mesmo diante dos avanços científicos, das novas descobertas e, sobretudo, do acúmulo de saberes. E o professor de Geografia deve escapar de trabalhar conteúdos voltados para os aspectos físicos e privilegiar temas relacionados a aspectos sociais e econômicos da disciplina, evitando que ela se torne apenas decoreba.

Reflexões sobre as tendências de ensino: contribuições para práticas pedagógicas no campo da Geografia
Geografia

A Educação e a Geografia são espaços de construção de saberes destinados ao desenvolvimento humano para a vida, para o mundo. Entre esses dois campos, há uma interseção, tanto no diz respeito ao nível de atenção à própria Educação quanto à importância do ensino da Ciência Geográfica para formação de um cidadão crítico e reflexivo. Desse modo, ainda que de forma inconsciente, os professores aderem sempre a um ciclo no processo de ensino-aprendizagem. Face a essas constatações iniciais, que elucidam a interface presente e por vez necessária da Educação com o campo da Geografia, procuramos aqui tecer algumas reflexões acerca das tendências de ensino, visto que se constituem como objetos das ações de educação que permeiam o ensino de Geografia, que correspondem às acepções de Educação elencadas no desenvolvimento das potencialidades dos indivíduos como sujeitos de transformação da realidade social, sendo integrantes dos direitos essenciais da pessoa humana.